O Wi-Fi é mais importante do que água quente

A nova realidade do turismo esteve em destaque na X Conferência Anual do Turismo da Madeira.

O wifi é mais importante do que a água quente. A afirmação proferida pelo ex-Secretário de Estado do Turismo Adolfo Mesquita Nunes poderia ser um duche de água fria para os cerca de 850 participantes na X Conferência Anual do Turismo da Madeira, organizada, no Funchal, pela delegação regional da Ordem dos Economistas, mas são muitos os
que reconhecem o papel determinante das tecnologias para o crescimento do turismo.

“Big Data é uma ferramenta poderosíssima que já permite saber de antemão os gostos pessoais, conhecer as emoções e a trajetória de vida dos clientes, os seus desejos ocultos”, disse o antigo secretário de Estado do governo de coligação PSD/CDS, apontando alguns exemplos: o recepcionista clássico do hotel dará lugar ao anfitrião, o check-in será automático e feito online, o mini-bar do nosso quarto há corresponder ao nosso gosto e não vai faltar muito para ser um drone a carregar as malas para o quarto. Sendo que nalguns grupos hoteleiros, o room-service ou a lavandaria estão já à distância de um click.

Geração millenium: viajantes à procura de experiências e sempre “ligados”

Já sem funções públicas, Mesquita Nunes esteve na conferência anual do turismo da Madeira para falar do comportamento da Geração Millenium face ao turismo, aquela em que se inclui, com mais 2.500 milhões de pessoas e sempre a crescer.

São pessoas que procuram emoções e não destinos; querem ser viajantes em vez de turistas; usam smartphones em vez de máquinas fotográficas, estão permanentemente “ligados”. Para elas, “o wifi é tanto ou mais importante que a água quente num hotel” e por isso, destino sem conectividade fica fora das escolhas.

O wifi dá ao hotel, ao destino turístico e à empresa uma vantagem na comunicação com os seus clientes como nunca existiu. É assim que o ex-secretário de Estado define esta “geração millenium e a sua relação com as tecnologias”, acrescentando mais algumas características: “Vive no país da internet”, onde não há fronteiras e foge dos canais tradicionais. São pessoas individualistas, marcam por si e para si e procuram exclusividade, mesmo que o destino seja de massas. Planeiam as viagens depois da pesquisa na internet e têm em conta as recomendações dos amigos. E, para um destino, não há nada pior que um comentário do género “fui lá e estava cheio de turistas”, assegura Mesquita Nunes.

Por outro lado, para estes viajantes, o importante não é o quanto gastam mas gastar melhor. Mais do que um destino, procuram experiências únicas, querem autenticidade.

“Uber’s e “airbnb’s” vieram para ficar. Temos que nos adaptar

A diferença atrai e, na opinião de Mesquita Nunes, a resposta das políticas públicas e dos diversos agentes envolvidos tem que ir ao encontro da procura. Uma grande desafio a que não é fácil responder, admite o ex-governante, que não abdica, no entanto, de uma “alfinetada” aos que já se queixam de turistas a mais, argumentando que é preciso
que se mudem hábitos e a gestão dos espaços, do território, de forma a dispersar os turistas.

“O melhor é que se aproveitem as potencialidades do negócio”, defende o titular da pasta do turismo no anterior governo de coligação, sublinhando que não se deve tentar travar a “turistificação” com a proibição. “Porque as ‘uber’s’ e as ‘airbnb’s’ vieram para ficar. Portanto, é preciso que todos os actores locais e regionais se juntem de forma a que não se mate a galinha dos ovos de ouro”, argumenta.

No entanto, nada se faz sem as pessoas, sem os “locais”, diz Mesquita Nunes, defendendo que é preciso garantir que o destino conta com as suas gentes, que vivem como querem e lhes apetece, que não se artificializa e continua a poder proporcionar experiências aos turistas, sem pôr em causa a vivência dos moradores. Trata-se de desafios que também fazem apelo à criatividade dos diversos agentes.

Numa conferência com o tema “Pessoas” ficou claro que apesar das máquinas e das tecnologias ganharem cada vez mais peso, o turismo é uma actividade em que as pessoas – moradores, recursos humanos ou clientes – são o mais importante para o sucesso de um destino.

 

Fonte: Rádio Renascença